Hoje irei entrevistar o Eduardo Nicolau, que é mestre e doutorando do departamento de medicina molecular da UFMG , tem vasta experiencia em utilização em impressora 3D em ambiente de pesquisa.

  • Olá. Tudo bem, Eduardo ?
  • Tudo bem!
  • Eu queria saber qual a importância da impressora 3D no seu laboratório ?
  • A utilização da impressora 3D ela se torna uma ferramenta muito importante no ambiente laboratorial uma vez que se passa a pensar no custo beneficio. Um dos principais problemas que se passa durante a pesquisa é a utilização de recursos de manutenção de equipamentos ou ate mesmo a fabricação de materiais que no caso não estão disponível no mercado. A impressora 3D se tornar importante exatamente nesse aspecto por exemplo: se uma peça pequena de um equipamento importado estraga e uma nova que pode custar em torno de dez mil a quarenta mil reais, na impressora você pode imprimir para suprir essa necessidade tornando a pesquisa viável e o laboratório passa a ser alto-sustentável nesse aspecto. O foco hoje no nosso laboratório é exatamente a utilização da impressora 3D para suprir a necessidade de alguns materiais que não conseguimos fazer a aquisição.
  • Ótimo! Muito Legal! Onde que você acha que a impressora 3D está impactando mais na área da saúde ?
  • Especificamente na área da saúde fica um pouco mais difícil para poder falar mas, posso falar sobre o impacto na pesquisa clinicas. No caso existem muitos estudos que estão utilizando a impressora 3D para imprimir estruturas proteicas, tentando mimetizar algumas estruturas de proteínas conhecidas utilizando a impressora. Futuramente pode servir para produção de suplementos proteicos para algum tipo de doença ou ate mesmo para melhora da saúde humana em geral. Outro aspecto para a utilização da impressora 3D, sera a impressão de células inteiras no qual pode servi para reposição celular para o ser humano mas eu acho que para pesquisa está ajudando na compreensão nas alterações morfológicas proteicas.
  • Muito interessante. E se eu quiser ter uma impressora 3D em casa isso é possível?
  • Não só em casa, mas como no laboratório também no caso. Sim extremamente possível, hoje em dia exitem impressoras valiando de mil e quinhentos a cinquenta mil reais até para mais caro do que estes valores vai depender realmente do seu proposito. Eu não tenho uma impressora em casa mas conheço varias pessoas que tem e elas usam não só para lazer mas para repor peças dentro de casa, pequenas coisas como algum suporte de uma Tv que com a impressora você consegue repor. Quando se pensa em custo beneficio vale a pena. Em termos de aprendizagem para você conseguir realmente aprender como utiliza-la, hoje em dia é tudo muito mais fácil você consegue encontrar vários tutoriais na internet não tem segredo se você for partir do básico e indo aprendendo aos poucos, não é nada muito complexo e você consegue aprender sozinho e em casa. Se caso você não tiver interesse de projetar seu próprio desenho, você pode procura por desenhos prontos em alguns site.
  • Muito legal Eduardo. Vamos torcer que esse seja um começo de uma medicina muito mais personalizada, muito mais individualizada né mesmo ?
  • Sim ! A utilização da impressora 3D ela abre as portas para medicina personalizada, como você mesmo disse no seu podcast anterior a impressão de moldes para face ou ate mesmo para tecidos, se torna altamente personalizado com a impressora 3D que no caso era mais difícil com a tecnologia que tínhamos em alguns anos atras. Eu acho que cada vez mais a tecnologia por trás da impressora 3D está avançando muito, em pouco tempo vamos conseguir fazer muito mais coisa pela medicina e pela pesquisa em geral utilizando essa ferramenta.
  • Ótimo! Muito obrigada pela sua participação Eduardo.

No próximo post iremos continuar falando sobre as tecnologias que estão impactando nesse mundo 4.O. Vamos juntos transformar a saúde desse país!

Artigo anteriorA matéria acumulou. E agora?
Próximo artigoPressão alta se trata com Jararaca
Thiago Cordeiro
Sócio fundador da empresa MedBeta. Graduando de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG; Realizou pesquisas nas áreas de medicina molecular, nefrologia pediátrica, imunologia, neuroimunologia e psiquiatria. Frequenta o Laboratório Interdisciplinar de Investigação Médica (LIIM) na FM-UFMG desde 2014. Atualmente, realiza pesquisa nas áreas de traumatismo crânio-encefálico, transtornos psiquiátricos, neuroimunologia, inflamação e hipnose. Autor do best seller "Suturas", editora Coopmed. Hipnoterapeuta, atuando em contexto ambulatorial e hospitalar, e Master Practitioner em Programação Neurolinguística - PNL.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui