Imagine só: seis anos de medicina, mais 3 anos de especialização e nos primeiros meses você é processado por um paciente, sendo condenado e tendo que arcar com mais de um ano de trabalho apenas para pagar a indenização.

Existe um livro que fala exatamente sobre isso. Chama-se blink. http://encurtador.com.br/kyzJ1
Nele algumas pesquisas são mostradas e relatadas. O mais interessante é que o risco de receber processo está mais relacionado à forma de comunicar, de lidar e de se relacionar do médico com o paciente do que a capacidade técnica ou assertividade diagnóstica/terapêutica.

A pergunta é: Existe uma forma certa de tratar o seu paciente?

Uma advogada norte americana, especialista em direito médico, percebeu um padrão neste caso. Os pacientes não processam os médicos que gostam ou seja, quanto maior for o vínculo do médico com o paciente, menor a chance de ser processado. Uma pesquisa presente no livro, conduzida por uma médica,  gravou e analisou consultas de  dois grupos de médicos: os que já haviam recebido processo e os que nunca tinham sido processados (todos com tempo extenso de carreira).

O resultado do grupo que nunca haviam sido processados, esses que devemos nos espelhar, era o seguinte:
Eles ficavam um tempo ligeiramente maior com seus pacientes (em média 3 minutos), frequentemente esses médicos explicavam com clareza o que estava acontecendo na consulta e também detalharam a conduta. Utilizavam técnicas de escuta ativa (que ja foi citado aqui no blog http://www.medbeta.com.br/2019/06/24/como-desenvolver-a-habilidade-da-escuta-ativa/ ) é uma habilidade fundamental para todo bom médico. E finalmente, os médicos menos processados de acordo com a pesquisa se mostraram engraçados ou pelo menos com possibilidade do paciente rir durante a consulta.

Aqui nós notamos que a relação do médico e paciente vai muito além da anamnese e exame físico que aprendemos na faculdade. Esses detalhes simples podem melhorar completamente o seu sucesso com o paciente e também te proteger de possíveis grandes dores de cabeça. 

Imagem relacionada

Resumindo: para evitar processos médicos, seja mais atencioso dê atenção ao seu paciente, cuide de modo que ele se sinta de fato cuidado.






Artigo anterior”E se não for Sífilis?”
Zaleski Kaniski
Zaleski Kaniski é Sócio fundador da MedBeta, graduando em medicina pela Faculdade de Minas - FAMINAS-BH; Realizou projetos para grandes empresas nas áreas de diferenciação de mercado, neuromarketing, comunicação e educação; Atualmente é um dos diretores executivos da MedBeta, realiza pesquisa nas áreas de neurociências e hipnose. É aficionado por tecnologias, educação e comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui